“Todo negócio é um negócio digital”

Neste último 14 de março estivemos na Associação Comercial de São Paulo em um evento organizado pela Sucesu-SP, sociedade fundada há 50 anos com a missão de ser o interlocutor político, empresarial e tecnológico da comunidade TIC.

Este foi o primeiro de uma série de eventos intitulados “A era da transformação digital” e contou com Agenor Leão – VP de Negócios Digitais da Natura – como figura principal. O objetivo maior destes encontros é de impulsionar o debate em torno dos benefícios da inovação digital e dos processos de integração e implementação no cotidiano das grandes organizações.

Leão trouxe as principais diretrizes e obstáculos vivenciados pela Natura para embarcar na transição digital. Nos próximos meses, a sequência de eventos contará com pelo menos outros 3 cases semelhantes: Serasa, Banco Original e Algar Agro trarão à comunidade Sucesu um pedaço de sua estratégia digital objetivando o aumento de performance.

Inovação digital no ecossistema das grandes empresas

Retomando o contexto de inovações digitais, Leão entende a existência de duas etapas: a dos primeiros 10 anos dominados pelas start-ups (marcado pelas famosas start-ups do Vale do Silício) e os 10 anos seguintes com as start-ups dividindo o cenário com as grandes organizações.

A ideia que nos passa é das grandes organizações terem tomado ciência do potencial e a urgência da inovação digital e, por mais que seja custoso e complexo, há de ser feito para persistir como um ator importante em seu mercado e / ou não perdê-lo a uma start-up que tenha uma construção de custo completamente diferente (entenda-se muito abaixo) apoiada na economia compartilhada e inovações disruptivas.

Não há dúvidas que esta “uberização” há modificado o mercado. Leão ressalta algumas consequências não necessariamente benéficas para os negócios: erosão das margens de lucros, distração da gestão e expectativas infladas. Por expectativa inflada, ele salienta que o usuário espera a user experience beira a perfeição, bastante diferente de quando o a tecnologia oferecia “telas verdes” ou simplesmente comandos não tão amigáveis até o primeiro momento.

Evolução da TI

O novo papel da tecnologia da informação é justamente impulsionar a transformação digital dentro das empresas e este é o grande desafio: evoluir de da TI qual a principal tarefa é oferecer suporte quando um dos sistemas de informação apresenta um erro. Erros continuarão a existir, mas esse estará longe de ser a principal tarefa do departamento de informação.

No caso da Natura, como frisou Leão, previamente as arquiteturas não eram preparadas para trabalhar com APIs. Tampouco a empresa estava preparada para trabalhar com novos fornecedores e novas formas de trabalho. Um destes exemplos era justamente a dificuldade em trabalhar com um fornecedor cloud. Hoje já está no radar da Natura de, em 5 anos, não possuir mais ativos TI (diversos motivos para tal incluindo depreciação do ativo).

Pilares da transformação digital da Natura, iniciados em 2013:

  • arquitetura flexível
  • eficiência nos processos
  • inovação digital
  • operação orientada ao cliente
  • tecnologia digital global

Isto tudo, com certeza, foi pensado nas melhores maneiras de atender o modelo de negócio da Natura. Lembrando que, no Brasil, as vendas são feitas majoritariamente através de consultoras independentes que vendem a seu círculo – em outras palavras – por relação e reputação. Este modelo de venda, tão antiga quanto atual, é complementado por diferentes modelos de negócio, como lojas nos EUA, e-commerce na França, mas principalmente e ultimamente uma rede social que fortalece o poder de vendas das consultoras, com uma time-line mesmo com insights sobre as clientes atuais (aniversário dos clientes, avisos automátivos de recorrência do produto, etc). Ele ressalta também que a tecnologia está aí e que pode ser aproveitada com facilidade: um API da Google para de reconhecimento de pedidos de voz direcionado para realizar pedidos.

Não há uma fórmula mágica para para promover a inovação digital dentro de uma grande organização

O processo de inovação digital em uma empresa é bastante peculiar e deve ser continuamente trabalhado para que traga benefício: cada empresa necessita criar sua própria estratégia, com ambições menores ou maiores em termos de automação de processos e a geração (e tratamento) das informações nos processos de seu negócio, levando em conta as características do business model que já ocorre na empresa.

O exemplo pontual de como uma multinacional brasileira como a Natura – que tem o poder de decisão amplamente realizado no Brasil – mostra como é possível reinventar o negócio apoiando-se nas inovações digitais. A Verteego será contente de ver os próximos exemplos e ver novas evoluções das relações multi-departamentais junto à tecnologia nos próximos eventos da Sucesu.